Rumo a uma biopolítica da beleza: eugenia, hierarquias estéticas e cirurgia plástica no Brasil

Rumo a uma biopolítica da beleza: eugenia, hierarquias estéticas e cirurgia plástica no Brasil

Este artigo fornece uma perspectiva histórica e etnográfica para explicar a saliência da beleza na reprodução das desigualdades raciais no Brasil. Eu argumento que o movimento eugênico neo-lamarckiano do Brasil foi o primeiro a criar a beleza como um índice de melhoria racial dentro da nação, e esse legado eugênico sustenta muitos dos discursos contemporâneos de embelezamento. A cirurgia plástica, em particular, herdou o objetivo biopolítico de produzir um corpo homogêneo político através do embelezamento, um objetivo que foi facilmente adaptado ao contexto contemporâneo de auto-aperfeiçoamento neoliberal. Hoje, a beleza é uma tecnologia de biopoder, que classifica a população dentro de uma hierarquia estética que produz características faciais não brancas como indesejáveis, e interpela os pacientes como responsáveis ​​pelas próprias correções cirúrgicas, embora com apoio do Estado no caso dos pobres. Assim, este artigo contribui para a literatura que entende ciência e medicina como chave dentro da história da racialização na América Latina, explicitando como a biopolítica modelou raça e beleza como elementos inseparáveis ​​e entrelaçados de inclusão e exclusão social.

Leia também: Bellacare

Palavras-chave: Beleza, eugenia, raça, Brasil, cirurgia plástica, biopolítica
Este artigo aborda as persistentes imbricações entre raça e beleza no imaginário brasileiro, imbricações que sugerem um legado duradouro de discursos eugênicos dentro dos entendimentos contemporâneos de cirurgia plástica e embelezamento de forma mais geral. Apesar de seu valor aparentemente ultrapassado e anacrônico como categoria científica, a eugenia é um conceito ainda valorizado pelos cirurgiões plásticos no Brasil contemporâneo. Para ilustrar isso, deixe-me levá-lo para o Congresso Mundial de Medicina Estética de 2007, no Rio de Janeiro, e uma conversa que tive com o palestrante da conferência, Dr. Almir Nácul. Dr. Nácul é um cirurgião plástico que inventou uma nova técnica de embelezamento chamada bioplastia, que consiste em injeções de um composto líquido chamado polimetilmetacrilato diretamente no tecido muscular da face ou do corpo. Durante sua palestra, Dr. Nácul afirmou que sua técnica pode remodelar permanentemente o rosto de uma pessoa para criar as linhas mais angulares típicas das ‘mais belas mulheres ocidentais’. Como prova de seu sucesso, ele citou o grande número de candidatos e vencedores da Miss Brasil. tinha cirurgicamente alterado através de sua técnica. Quando perguntei ao Dr. Nácul mais tarde naquele dia por que ele achava que técnicas de embelezamento como a bioplastia haviam se tornado tão populares no Brasil, ele respondeu:

A mestiçagem melhorou a condição eugênica da população, e as técnicas de embelezamento ajudam a eugenia porque ajudam as pessoas a permanecerem jovens e a melhorarem a si mesmas.

Para este cirurgião plástico, a questão da melhoria pessoal não pode ser separada das questões de mistura racial, eugenia e população. O aspecto mais revelador do comentário deste cirurgião é sua afirmação de que a miscigenação iniciou o processo de melhoria eugênica, e a ciência do embelezamento complementa esse trabalho. Embelezar é melhorar não só o eu, mas também a população como um todo, colaborando com o trabalho de miscigenação para melhorar a nação brasileira. É assim que os cirurgiões plásticos vêem sua profissão: como uma ajuda no processo de construção da nação que a miscigenação e a eugenia iniciaram.

), é entendido como o motor que reuniu as diferentes populações do Brasil através do sexo. Esse mito de origem, que os brasileiros dão como certo sobre si mesmos, vê a população nacional como uma mistura de populações européias, ameríndias e africanas, retendo elementos de cada grupo originário, mas em última instância produzindo uma nova identidade racial miscigenada. Quando se olha para as rainhas de beleza de Dr. Nácul, no entanto, vê-se uma forte preferência pela branquidade como norma de beleza nacional – as imagens que acompanharam a sua palestra revelaram um padrão inabalável de pele clara, olhos claros, longas rectas

Fonte: https://www.mulherk.com.br/bellacare-funciona-anvisa-preco-e-onde-comprar-colageno-bellacare/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *